Deputados querem investigar operador do caixa dois tucano em São Paulo
Deputados querem investigar operador do caixa dois tucano em São Paulo


Depois de retornar à prisão, na manhã de quarta-feira (30), o operador de caixa dois das campanhas do PSDB de São Paulo Paulo Preto poderá ser investigado por uma CPI na Assembleia Legislativa paulista, proposta pelos deputados do PT, que iniciaram a coleta de assinaturas em apoio às investigações. Paulo Preto é acusado de coagir testemunhas no processo de reassentamento nas obras do governo do PSDB no estado.
Detido pela Polícia Federal, o ex- diretor da Dersa Desenvolvimento Rodoviário tinha sido beneficiado por habeas corpus concedido pelo juiz Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no último dia 11. O seu retorno à prisão tem como base a acusação de coação à testemunha no processo que envolve fraudes de R$ 7,7 milhões entre 2009 e 2011, em reassentamento no eixo para obras viárias do Rodoanel, Avenida Jacu Pêssego e Nova marginal, segundo investigações do Ministério Público Federal.    
De acordo com o MPF testemunhas do processo relataram novas ameaças para depor contra Paulo Preto, sua filha Tatiana Souza Cremoni, também detida teria pressionado a babá para mudar versão de depoimento. Os investigadores dizem que a babá foi beneficiada pela fraude nos reassentamento e tinha advogado indicado e custeado por Tatiana.     
Contas na Suíça
Paulo Preto foi também alvo de investigações internacionais e autoridades da Suíça apontam que, entre os anos de 2009 e 2011, o engenheiro da Dersa recebeu em suas contas no país numerosas entradas de fundos.
Quatro contas tinham saldo de US$ 34,4 milhões quando Paulo Preto transferiu os recursos da Suíça para a Bahamas, no começo de 2017. O valor equivale a R$ 121 milhões, quando corrigido pela cotação de maio desse ano.
Paulo Preto chegou à administração pública estadual em 1993 pelas mãos do ex- governador Fleury Filho. Em 1995 começou a se relacionar com o tucano que é considerado seu padrinho político: Aloysio Nunes. Naquele período, Aloysio era vice-governador e ocupava a Secretaria de Transportes Metropolitanos.
Em 2005, no governo de Geraldo Alckmin, Paulo Preto foi designado para diretoria de relações institucionais, encarregada de manter contatos com prefeituras e investidores.
Na Lava Jato
Além das movimentações econômicas atípicas e denúncias de coação a testemunhas, Paulo Preto foi denunciado pelo operador de Adir Assad que afirmou em depoimento de sua delação premiada à Lava Jato ter recebido por meio de suas empresas de fachada cerca de R$ 46 milhões das concessionárias de rodovias do Grupo CCR e entregue ao ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza. Os repasses teriam ocorrido entre 2009 a 2012.
Segundo consta, a delação integra a documentação da 48ª fase da operação, que investiga irregularidades em rodovias e envolve empresas que conquistaram concessões no Estado de São Paulo durante as gestões tucanas de Geraldo Alckmin e José Serra.
A CCR também é controladora do Consórcio ViaQuatro, que opera a Linha 4-Amarela, e do Consórcio ViaMobilidade, que venceu recentemente a licitação para operação por concessão das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro, todas da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô). (Com RBA)

Compartilhar Google+


Comentário(s)

Publicidade


Busca

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes

ORÇAMENTO ESTADUAL


Etecs divulgam locais das provas do Vestibulinho do 2º semestre


Instituto Butantan consegue patente para produção da vacina contra dengue


Tabela de frete aumenta preço do feijão e do arroz, diz CNA


Temer alerta para os que apostam na notícia falsa para se beneficiar nas eleições deste ano


1
Fatal error: Cannot redeclare __autoload() (previously declared in /var/www/html/tribunalivrepv.com.br/web/_app/Config.inc.php:9) in /var/www/html/tribunalivrepv.com.br/web/_app/Config.inc.php on line 9