LITERATURA

Contos do prudentino Rubens Shirassu Júnior constituem uma obra psicológica que perscruta o subterrâneo da desordem

(*) José Caetano da Silva
Do escritor prudentino Rubens Shirassu Júnior, o livro de contos “Sombras da Teia” se faz romance ao entremear um todo que envolve o mundo, o submundo e o real dos seres humanos suscetíveis de se imiscuir nos mesmos de forma inesperada ou consentida. O trabalho, pelo que se vislumbra na leitura, é fruto de pesquisa elaborada no cotidiano quase imperceptível da cidade de Presidente Prudente, encoberto pelo visual urbano de cidade limpa e bela, com povo ordeiro, pacífico, trabalhador, religioso, ético, honesto.
A obra viaja pelos becos sem saída e escuros, por esquinas inquietas e desertas, por ruas em madrugadas quentes ou frias, por galerias, redes de esgoto, cheiros, fedores e suores, sangue e lágrima, cinzas e fumaças, cerveja barata e pontos de drogas, botecos de ponta de vila, trabalhadores insones, gente rica hipócrita, por sanduíches de carne moída, coxas, cadeias, centros de recuperação, por tatuagens, pistolas, facas, batons, sexo e gozo, gosto e desgosto numa espécie sem fim de violência, onde em meio ao ódio o amor se manifesta como passos para a chantagem, para se levar vantagem.
O seu texto lembra muito Plínio Marcos, sobretudo em “Dois Perdidos numa Noite Suja”, por conta do domínio do linguajar dos protagonistas excluídos, incluídos no mundo/submundo do “crime” e da “lei e da ordem”. Lembra também Ítalo Svevo, em “A Consciência de Zeno”, obra que inaugura o chamado “romance psicológico”, em que o narrador se situa na posição horizontal e deixa o cérebro fruir com suas narrativas de idas e voltas, sem dimensão de tempo, onde ainda, muitas vezes, os lugares se confundem em função de suas semelhanças.
A obra mostra também que, em meio aos “condenados da terra” e aos “transgressores” da lei e da ordem, vicejam elos de identidade, de solidariedade, de afetividade, como um contraponto ao que se espera que eles mesmos se matem entre si para o alívio de uma sociedade hipócrita que é a gênese de tudo o que acontece, na superfície falsa e no subterrâneo concreto, real.
“Sombras da Teia” é, enfim, uma obra que orgulha Presidente Prudente e a todos que prezam pela excelente literatura. Vale a leitura.
(*) O autor é escritor, sociólogo e educador de Presidente Prudente, São Paulo. Autor de Onde está a Liberdade? e La Nave Va

Compartilhar Google+


Comentário(s)

Publicidade


Busca

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes

ORÇAMENTO ESTADUAL


Etecs divulgam locais das provas do Vestibulinho do 2º semestre


Instituto Butantan consegue patente para produção da vacina contra dengue


Tabela de frete aumenta preço do feijão e do arroz, diz CNA


Temer alerta para os que apostam na notícia falsa para se beneficiar nas eleições deste ano


1
Fatal error: Cannot redeclare __autoload() (previously declared in /var/www/html/tribunalivrepv.com.br/web/_app/Config.inc.php:9) in /var/www/html/tribunalivrepv.com.br/web/_app/Config.inc.php on line 9