Polícia tenta desvendar mistério de menina encontrada vivendo com macacos
Polícia tenta desvendar mistério de  menina encontrada vivendo com macacos

A polícia indiana está vasculhando listas de crianças desaparecidas para tentar identificar uma menina que aparentemente estava vivendo com um bando de macacos.

A garota tem entre 8 e 10 anos. Ela foi encontrada há algumas semanas na floresta em Uttar Pradesh, no norte do país. Não se sabe há quanto tempo ela estava nesta situação.

Um policial, Suresh Yadav, contou à BBC que, quando foi encontrada, ela brincava com macacos e imitava seu comportamento. Ela tinha sido avistada por moradores de um vilarejo na reserva natural de Katarniaghat, próximo da fronteira com o Nepal.

Os animais teriam atacado a equipe de resgate quando eles chegaram para levá-la de volta à civilização. A menina estava desnutrida, tinha cabelos e unhas longos e apresentava ferimentos a arranhões pelo corpo.

Mogli

A garota não fala e apresenta um comportamento semelhante ao de símios, ao guinchar e andar “de quatro”, com a ajuda dos braços e das pernas.

Ela ainda está no hospital, onde recebeu a visita de autoridades, mas seu estado já é bem melhor. Uma vez que receber alta, será entregue a assistentes sociais e especialistas para que seja reintroduzida aos poucos na sociedade.

Ela vem sendo chamada de “Durga da Floresta”, uma referência a uma deusa guerreira hindu, e comparada a Mogli, personagem de O Livro da Selva (1894), de Rudyard Kipling.

Na história, adaptada pela Disney para o cinema, um menino indiano é criado na natureza por um bando de lobos.

Compartilhar Google+


Comentário(s)

Publicidade


Busca

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes

Perda de prazo leva TJ a bloquear contas da Prefeitura de Presidente Venceslau


Comércio varejista da região cria 25 postos de trabalho em abril


Mullher tenta entrar em presídio com anotações na calça


Moradores se queixam de vazamento de caixa d’água


Casos de sarampo e pólio aumentaram em todo o mundo, diz relatório da OMS


1