Dezembro Vermelho alerta para prevenção da Aids e ISTs
Dezembro Vermelho alerta para prevenção da Aids e ISTs


O mês de dezembro marca uma grande mobilização nacional sobre prevenção ao vírus HIV, AIDS e outras IST (infecções sexualmente transmissíveis). O Dezembro Vermelho nasceu a partir da Lei 13.504, publicada no Diário Oficial no início de novembro, e dá sequência às ações do Dia Mundial contra a Aids, celebrando desde 1988 no mundo todo em 1º de dezembro.
O que é o HIV/Aids?
A Aids é uma doença infecciosa, transmitida pelo vírus HIV. Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde, do Ministério da Saúde e do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), a cada 15 minutos uma pessoa se infecta com o vírus no Brasil e sete pessoas morrem por dia em São Paulo.
Assim como acontece com o Outubro Rosa, sobre o câncer de mama, e Novembro Azul, sobre o câncer de próstata, o Dezembro Vermelho tem como objetivo chamar atenção para as medidas de prevenção, assistência e proteção e promoção dos direitos das pessoas infectadas com o HIV. Entre as ações programadas pelo Governo do Estado de São Paulo, estão rodas de conversa sobre o HIV com especialistas que irão orientar e esclarecer dúvidas da população sobre os métodos de prevenção e tratamento.
Este ano, por exemplo, mais de 4 mil unidades de saúde participam da campanha, que engloba testes gratuitos e ações extramuros em parceria com outras entidades, como ONGs locais. Ou seja, são muitas atividades que visam conscientizar a população. E você, já fez o teste? Deixe o preconceito de lado e converse abertamente sobre o assunto.

Compartilhar Google+


Comentário(s)

Publicidade


Busca

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes

Perda de prazo leva TJ a bloquear contas da Prefeitura de Presidente Venceslau


Comércio varejista da região cria 25 postos de trabalho em abril


Mullher tenta entrar em presídio com anotações na calça


Moradores se queixam de vazamento de caixa d’água


Casos de sarampo e pólio aumentaram em todo o mundo, diz relatório da OMS


1