IBGE prevê safra de grãos 6,8% menor em 2018
IBGE prevê safra de grãos 6,8% menor em 2018


A safra de grãos do próximo ano deverá ser 6,8% menor do que a de 2017, de acordo com as previsões do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgadas nesta quinta-feira (11). A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas foi estimada em 224,3 milhões de toneladas. É o terceiro prognóstico divulgado pelo órgão.
A queda deve-se, principalmente, às menores produções esperadas para o milho (15 milhões de toneladas) e para a soja (2,7 milhões de toneladas).
Porém, em relação à última previsão divulgada, houve um acréscimo de 4,8 milhões de toneladas (2,2%), em razão das boas condições climáticas observadas em dezembro, que impactaram positivamente a produção de soja (3,8%), milho 1ª safra (3,1%) e arroz (2,1%).
Já a estimativa de dezembro para a safra de 2017 totalizou 240,6 milhões de toneladas de grãos, alta de 29,5% (ou 54,8 milhões de toneladas a mais) em relação a 2016 (185,8 milhões de toneladas).
A área a ser colhida (61,2 milhões de hectares) cresceu 7,2% frente a 2016 (57,1 milhões de hectares). Ante o número divulgado em novembro (241,9 milhões de toneladas), a estimativa da produção diminuiu 0,5%.
O arroz, o milho e a soja foram os três principais produtos da safra de 2017. Somados, eles representaram 94,4% da estimativa da produção e responderam por 87,9% da área a ser colhida.
Em relação a 2016, houve aumento de 2,2% na área da soja, de 19,3% na área do milho e de 4,3% na área de arroz. Na produção, ocorreram acréscimos de 19,4% para a soja, 55,2% para o milho e 17,2% para o arroz.

Compartilhar Google+


Comentário(s)

Publicidade


Busca

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes

Perda de prazo leva TJ a bloquear contas da Prefeitura de Presidente Venceslau


Comércio varejista da região cria 25 postos de trabalho em abril


Mullher tenta entrar em presídio com anotações na calça


Moradores se queixam de vazamento de caixa d’água


Casos de sarampo e pólio aumentaram em todo o mundo, diz relatório da OMS


1