Decisão do STF pode beneficiar 300 presas grávidas ou mães na região
Decisão do STF pode beneficiar 300 presas grávidas ou mães na região

 

Com a decisão do Supremo tribunal Federal (STF) de beneficiar com prisão domiciliar mulheres presas, não julgadas ainda, grávidas ou que sejam mães de crianças com até 12 anos, pelo menos 322 sentenciadas da região de Presidente Prudente podem garantir o direito de deixar a cadeia e cumprir pena em casa. O número representa 23% da população carcerária do Presídio Feminino de Tupi Paulista.
A decisão do STF que concedeu o benefício coletivo pode colocar nas ruas criminosas consideradas perigosas e, inclusive, acusadas de integrarem uma facção que atua dentro e fora dos presídios paulistas. Duas delas já conseguiram habeas corpus na justiça e saíram recentemente da Penitenciária Feminina de Tupi Paulista.
A unidade prisional tem 1375 mulheres presas, das quais 322 podem receber o benefício da decisão do STF. No local, 237 mulheres estão presas provisoriamente e aguardam julgamento. Destas, 15 são gestantes, 11 puérperas, 191 têm filhos de até 12 anos e 20 contam com filhos deficientes.
Outras 85 cumprem pena, mas aguardam o resultado de recursos que podem reverter as condenações. Destas, uma é gestante, três são puérperas, 78 têm filhos de até 12 anos e três possuem filhos deficientes.
Operação Ethos
A advogada Marcela Antunes Fortuna foi presa no Paraguai em maio do ano passado. Ela foi acusada de ser chefe de uma célula de uma facção paulista durante a Operação Ethos, deflagrada pela Polícia Civil e Ministério Público Estadual (MPE). Também há a suspeita de que ela tenha participado de um assalto a uma empresa de transportes de valores em que bandidos armados com fuzis roubaram quase US$ 12 milhões. Mesmo com as acusações, ela conseguiu converter sua prisão em domiciliar, pois tem dois filhos, um de dois e outro de nove anos.
A advogada Vanila Gonçales, outra indiciada da Operação Ethos, foi outra beneficiada com a prisão domiciliar. Condenada a 17 anos e dois meses de prisão em regime fechado, a sentenciada também deixou a Penitenciária Feminina de Tupi Paulista para cumprir a prisão domiciliar, já que tem uma filha de oito anos.
O promotor de Justiça do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco), Lincoln Gakiya, diz que Vanila e Marcela são consideradas pessoas “de alta periculosidade”. 
Em entrevista à TV Fronteira, Gakiya disse que a decisão do STF para cada presa terá de ser analisada “de maneira particular”. “Somente no Presídio de Tupi Paulista nós temos mais de 320 presas que teriam condições, em tese, de receber esse benefício porque têm filhos menores de 12 anos, algumas de altíssima periculosidade, a maioria envolvida com tráfico de entorpecentes e tráfico pesado. Não é aquela situação que a gente viu outro dia de uma grávida com uma pequena quantidade de entorpecente que dormiu com uma criança recém-nascida na cadeia. Então são situações que o crime organizado que vive de oportunidade de negócio, certamente vai se aproveitar”, diz.
“Tenho notícia em várias unidades prisionais da nossa região de que durante as visitas algumas mulheres têm sido abordadas nas filas, sobretudo aquelas que estão grávidas ou estão acompanhadas de crianças pequenas, justamente para poder ingressar com algum objeto ilícito no presídio, já que elas não fariam jus a qualquer tipo de prisão em flagrante, de prisão preventiva. Então isso é uma porta aberta para que o crime organizado passe a explorar essas mulheres”, expõe. (Com G1)

Compartilhar Google+


Comentário(s)

Publicidade








 

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes






1