Fundo da Lava Jato a ser criado é alvo de críticas

A tentativa de criação de uma fundação com recursos de indenização pagos pela Petrobras, numa jogada envolvendo os procuradores da Lava Jato – Ministério Público Federal (MPF) do Paraná e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, tem causado reações entre políticos e parlamentares. No acordo, parte dos R$ 2,5 bilhões pagos pela Petrobras ao governo dos Estados Unidos seriam revertidos para esse fundo, destinado a financiar supostas iniciativas de combate à corrupção e outras ações.
Além dos questionamentos quanto à legalidade da uma fundação de direito privado ser criada para gerir esses recursos, o acordo suscita preocupações do ponto de vista da segurança dos interesses nacionais já que, em troca do “repatriamento” de parte da indenização, o Departamento de Justiça norte-americano teria garantido o acesso a informações sigilosas da Petrobras.
O ex-deputado Wadih Damous classificou a medida como “traição ao povo brasileiro”. “Dallagnol e sua turma de Curitiba são arrogantes e prepotentes. Não percebem que a qualquer momento serão descartados quando não interessarem mais as classes dominantes. Vão pagar por isso”, declarou Damous.
A deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente da legenda, também diz que o fundo da Lava Jato evidencia “propina que a turma da Lava Jato recebeu dos EUA  para entregar a Petrobrás”, pondo em xeque a nossa soberania. Ela também classificou o acordo como “corrupção” e “lavagem de dinheiro”. Quem autorizou Dallagnol criar um fundo em nome do Ministério Público com o dinheiro da Petrobras? A PGR? Como é a oficialização? Tem projeto de lei? Depois, quais critérios p/distribuição dos recursos? Os amigos da Lava jato?”, questiona. 
(Com RBA)


Publicidade









 

Siga-nos

Acompanhe o Tribuna Livre nas Redes Sociais!

Notícias Recentes




VIAGEM PRESIDENCIAL AOS EUA



1